S. Francisco Xavier

MI-03

Novo

Santo com 32 cm figurando S. Francisco Xavier.

60,00 €

Peça de artesanato em barro figurado pintado com a altura aproximada de 32 cm figurando S. Francisco Xavier.

Quem foi S. Francisco Xavier?

Nasceu em Castelo de Xavier, Navarra, Espanha, 1506 -

Morreu na Ilha de Sanchoão, frente a Cantão, China, 1552

 

Missionário jesuíta, apóstolo do Oriente, conhecido como o «Apóstolo das Índias». Órfão de pai aos nove anos, vai para Paris dez anos depois (1525) para seguir a carreira das Letras. Interno no Colégio de Santa Bárbara (dirigido por Diogo de Gouveia, o Sénior, e que este transforma no Colégio Português da Universidade de Paris), frequenta o curso de Filosofia, graduando-se em bacharel (1526), licenciado (1530) e depois mestre, fazendo, em simultâneo, Humanidades no Colégio de Montaigu (1525-26).

No Colégio de Santa Bárbara tem como companheiro Inácio de Loiola, que o vem a conquistar para os seus projectos. Com outros universitários, Le Fèvre, Salmerón, Afonso de Bobadilha, Laínez e Rodriguez, reúnem-se em Montmartre, em 1534, fazendo votos para irem à Terra Santa. Chega a Roma com Afonso de Bobadilha na Primavera de 1538, depois de passar por Veneza, juntando-se a Inácio de Loiola e outros, onde concretizam o projecto de Paris: a Companhia de Jesus, aprovada pelo papa Paulo III em 3 de Setembro de 1539. Entretanto, D. João III de Portugal pretende um grupo de jesuítas para pregar no Reino e Francisco Xavier, a pedido do rei (para o que não é indiferente o conselho de Diogo de Gouveia), é um dos que em 1540 já se encontra em Lisboa. No ano seguinte é enviado para a Índia, credenciado pelo papa Paulo III que o nomeia seu legado ou núncio apostólico, ficando Rodriguez em Portugal para aqui estabelecer a Companhia de Jesus. Chega a Goa em Maio de 1542, na companhia de Francisco Mansilhas e Paulo Camerte, novos membros da Companhia, onde consegue, como primeiro objectivo, atrair muitos portugueses para os bons caminhos da moral cristã (diz-se que Fernão Mendes Pinto foi um deles, embora por pouco tempo). Foi de Goa que escreveu uma carta ao rei a condenar os abusos dos Portugueses na exploração dos nativos. Estende a sua pregação desde o cabo de Comerim ao golfo de Manar, seguindo-se os pescadores de Travancor. Numa carta para Roma dizia: «É tanta a multidão dos que se convertem à fé de Cristo nesta terra onde ando, que muitas vezes me acontece ter cansados os braços de baptizar, e não poder falar, de tantas vezes dizer o credo e os mandamentos em sua língua deles, e as outras orações.» Ao fim de um mês baptiza 10 000. Em 1546 está nas Molucas, Temate e ilha de Moro. Regressa à Índia em 1547-48, depois de passar por Malaca, onde tem mais missionários à sua espera para com ele colaborarem.

Em 1549 a Companhia de Jesus está estabelecida em Goa, Pescaria, Travancor, Molucas, Malaca, S. Tomé-de-Meliapor, Coulão, Baçaim, Ormuz e dirige-se ao Japão. Ao princípio a vida não lhe é fácil, a sua evidente pobreza e vida simples contribui para que as portas se lhe fechem. Muda de aspecto, mune-se de presentes e de cartas do governador da Índia e consegue que, em 1551, o príncipe Outsi Yositaka de Yamaguchi o autorize a espalhar a fé cristã. Em poucos meses instala as cristandades de Cangoxima, Firando, Yamaguchi e Bungo, que deixa ao cuidado de outros companheiros e regressa à Índia. Em Janeiro de 1552, conforme carta a Inácio de Loiola, prepara-se para ir à China. Em Malaca, a caminho do novo destino, é mal tratado pelo filho de Vasco da Gama, D. Álvaro de Ataíde, governador da praça. Consegue chegar à ilha de Sanchão. Os portugueses amigos que ali encontra estavam de partida mas não para a China, fica doente e ali acaba por falecer em Dezembro desse ano de 1552.

 

 

Arte do Povo - Artesanato Online